Miguel Vale de Almeida

Não sonho com nenhuma utopia, gosto de discurso e ação concretos para mudanças concretas. Que promovam o que em tempos alguns de nós apelidaram de “democracia sem fim”.  Uma comunidade de valores respeitadores e incentivadores da igualdade de oportunidades e dos direitos humanos – em todos os planos, do trabalho aos direitos LGBT, da pluralidade étnica e cosmopolita à igualdade de género. No nosso sistema o ou a PR pode e deve ser o símbolo disso; e um ator ou atriz da promoção do Comum. Sobretudo em tempos perigosos de descalabro do estado social, da economia como bem comum, do projeto europeu, da democracia, da pluralidade informativa, e do respeito pela Constituição. A candidatura de Sampaio da Nóvoa pode tirar-nos do pântano anímico em que nos meteram e em que deixámos que nos metessem.